terça-feira, 18 de maio de 2010

Identidade (Pv.31,10)

Quem é esse povo, que foi escolhido? Quem é essa raça eleita, sacerdócio real, chamado para ser santo, assim como é santo Aquele que o chamou? Quem é esse povo, cujo valor excede ao rubi? 

Identidade é o conjunto de características próprias, específicas de uma pessoa e mais do que isso, é a consciência de quem somos, de que não somos fruto de um acaso, mas de um projeto e de um propósito de Deus.

Quem nós somos? A princípio somos criaturas do Deus Altíssimo, nascido com um propósito, escolhidos ainda no ventre de nossa mãe, quando aceitamos a Jesus, passamos a ser filhos de Deus (“Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus...”Jo.1,12). Não somos fruto de um acaso, mas somos uma raça escolhida (“Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido...” (I Pe,2,9) e fazemos parte de um povo chamado para fazer a diferença, através da santidade “... mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver, porquanto escrito está: Sede santos, porque eu sou santo.” (I Pe 1,13 e 14).

Santidade é a qualidade ou condição de santo, que por sua vez, significa estar separado. Santidade é a caracteristica principal do povo escolhido de Deus. Essa qualidade está diretamente relacionada à virtude, que significa disposição e capacidade para agir de modo moralmente correto.
O Senhor nos escolheu e nos chamou para sermos santos.

“ Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de rubi” (Pv.31,10).
Não podemos esquecer, que em diversos momentos, nos deparamos com Deus, em Sua Palavra, comparando o Seu povo a uma mulher (Ez. 23; 16:9-14). A própria Igreja, é uma representação femenina do povo de Deus. No livro de Apocalipse vemos a Igreja como a noiva, e que haverá bodas com o Cordeiro (Ap. 19,7).
Em Provérbios 31,10 e seguintes, temos ali a figura da esposa perfeita. Essa esposa perfeita, sem mácula, representa a própria Igreja, escolhida e separada, que se encontrará com o Cordeiro de Deus.
A Igreja, somos nós, o seu povo, escolhido e separado para ceiar com Ele. Um povo consciente de sua identidade: de quem é e qual o seu chamado. 
"Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono" (Ap. 3,21).
..................................

Marciléia Abreu