terça-feira, 7 de junho de 2011

DECIDINDO MUDAR PARA EXPERIMENTAR O MELHOR DE DEUS

Deus deu uma promessa a Abrão de que teria uma descendência incontável (Gn 15:13-14), mas o avisou de que o seu povo seria peregrino, servo e afligido por 400 anos, andando em terra que não era sua. Deus tinha um propósito e declara que o povo escolhido sairia da servidão com grande fazenda (Gn 15:14).

Finalmente chegara o momento da mudança. O povo já não agüentava mais o cativeiro (Ex 7:1-5). Você faz idéia do que era uma vida de escravo? Só trabalhava para os outros, não possuía bens ou patrimônio e nem a roupa que vestia, era sua.

Muitos têm vivido como escravo - uma vida sofrida, angustiada, que não sabe como vai ser o amanhã. O povo de Israel estava desse jeito, totalmente sem perspectiva.

Mas quando Deus levantou Moisés, duvidaram. Fico imaginando a cara deles, o susto, quando Moisés propôs a saída do Egito para outra terra, os questionamentos. Será que saindo não vai ser pior? Sempre têm pessoas negativas, que preferem se acomodar a encarar mudanças. Pessoas que preferem viver na sombra, porque é mais cômodo – não querem conquistar.

Quando compreendemos esse contexto, entendemos porque Deus endureceu o coração de Faraó. Quando Moisés vai a presença de Faraó para pedir que o povo fosse liberado para sacrificar a Deus, a primeira coisa que Faraó fez, foi aumentar o serviço do povo: ”... eles estão ociosos..” (Gn 5:8).

Era o propósito de Deus. Sabe por que? Porque Deus conhecia a dureza que impregnava o coração do povo e se não houvesse acontecido isso, não teriam DECIDIDO sair do Egito.

Podemos fazer uma alusão à águia. Uma das formas dela forçar os filhotes a voar é tirar o conforto do ninho: aliás, ela já constrói o ninho, com o mínimo de conforto, com espinho, para que, a medida que, os filhotes vão crescendo, sintam-se incomodados. Não satisfeita, tira as plumagens, depois os galhos, depois ela mesma bica os filhotes, para forçá-los a voar. Se ela não fizer isso o filhote não voa. E se o filhote não voa no devido tempo, fica atrofiado.

Deus age da mesma forma conosco, para nos tirar do comodismo, do nosso Egito particular. TODO O PROBLEMA É SINAL DE MUDANÇA.

A primeira mudança que precisa ser feita, não é na geografia, mas em você mesmo.

Aquele povo também precisava de uma mudança no seu interior, no seu caráter. Era um povo murmurador, ingrato, incapaz de reconhecer o que Deus havia de fazer. Era um povo covarde. A gente vê o cuidado de Deus com seu povo, quando deu um comando para que Moisés não os conduzisse pelo caminho mais curto, porque haveria guerra com os filisteus “... para que porventura o povo não se arrependa, vendo a guerra e tornem ao Egito, ao cativeiro” (Gn 13:17).

Quantos não voltam ao lugar de cativeiro, por medo de enfrentar as mudanças? Deus, da mesma forma que fez com aquele povo, jamais permite um fardo, além do que você possa suportar.

Precisamos ser humildes e reconhecer que precisamos de uma alma curada, para tomarmos posse, para receber aquilo que Deus tem para nós. Precisamos romper com tudo o que tenta nos prender.

Deus nos chama à Liberdade, a romper com as cadeias, os grilhões, com tudo o que nos afasta dEle.

DEUS TEM O MELHOR!

 “eu irei adiante de ti e endireitarei os caminhos tortos, quebrarei as portas de bronze e despedaçarei os ferrolhos de ferro!
Não temas, eu sou contigo!
(Is 45:2)