domingo, 22 de fevereiro de 2015

FÉ, BASTA UMA PALAVRA.



Fé é caminhar pelo que não vemos, como se já existisse. O livro de Hebreu, fala que a fé é a CERTEZA das coisas que se esperam, a CONVICÇÃO de fatos que se não vêem (Hb.11:1). CERTEZA, CONVICÇÃO!

“Sem fé é impossível agradar a Deus” (Hb.11:6, a) e a palavra continua: “... é necessário que aquele que se aproxima de Deus, creia que Ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam” (Hb.11:6).

No Evangelho de Mateus 8:5-13, o centurião foi exemplo de fé e Jesus admirou-se dele. Aquele homem, um centurião romano, implorou a Jesus a cura de seu criado. Ele sabia que Jesus era a resposta. Jesus, ao ser abordado por aquele homem, prontamente respondeu: “EU IREI CURÁ-LO”. Mas, para aquele centurião, bastava apenas uma palavra – UMA PALAVRA.

Não é difícil imaginar porque Jesus se admirou de tamanha fé. Jesus estava acostumado a andar acompanhado de uma grande multidão, que o seguiam, em busca de sinais, mas precisavam ver para crer, precisavam ser tocados.

Hoje não é diferente. Para muitos, não basta a Palavra de Jesus. Não bastam as promessas elencadas na Nova Aliança, não basta Jesus já ter morrido na cruz e ressuscitado. Muitos procuram por vasos, procuram por profecias, estão desesperados por sinais, focam nas suas necessidades e esquecem do mais simples, agradar a Deus, ter fé. Procuram os milagres, mas esquecem de buscar intimidade com o Deus dos milagres.

Jesus, depois da ocasião da última ceia com seus discípulos, onde anuncia a Nova Aliança, (Lucas, 22:20), derrama Seu sangue por nós, na cruz do calvário, declara: “ESTÁ CONSUMADO!” 

Eu poderia parar por aqui, mas faço questão de lembrar algumas coisas que JESUS JÁ FEZ POR NÓSNos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do filho do seu amor; Nos deu a redenção, a remição dos pecados; Nos reconciliou no corpo da sua carne, mediante a sua morte, para nós apresentar perante a si, SANTOS, INCULPÁVEIS e IRREPREENSÍVEIS, se é que permanecemos na fé, alicerçados e firmes (Colossenses 1: 13,14,22); Levou sobre si as nossas dores, as nossas enfermidades, todo o castigo que estava sobre nós.

O apóstolo Paulo, no livro de Efésios é mais profundo: “Deus sendo rico em misericórdia, por causa do seu grande amor com que nos amou... nos deus VIDA juntamente com CRISTO.... E JUNTAMENTE COM ELE, NOS RESSUSCITOU E NOS FEZ ASSENTAR NOS LUGARES CELESTIAIS EM CRISTO JESUS” ( Ef. 2:4-6).

Aquele centurião, não conhecia a Nova Aliança, àquela altura, Jesus estava no início de seu ministério, não havia sido crucificado, não havia os Evangelhos, como nós temos hoje, mas aquele homem não duvidou no seu coração e sabia quem era Jesus e essa convicção o fez declarar: BASTA UMA PALAVRA!

É essa convicção que devemos buscar. A dúvida ofende a Deus e nos impede de receber tudo que o Senhor já reservou para nós (Efésios 1:3). As benção do Senhor é para usufruirmos agora e não quando morrermos, pois é através de nossas vidas que o nosso Pai será glorificado - nós somos o sal da terra, luz e o mundo aguarda com expectativa essa manifestação. (Romanos 8:19)

Aquele que se aproxima de Deus, tem que crer que Ele existe, certo? E que Ele tem prazer em presentear aqueles que o buscam (Hb 11:6). Caso você tenha alguma dúvida disso, deixo a resposta que Jesus deu àquele centurião: “VÁ! COMO VOCÊ CREU, ASSIM LHE ACONTECERÁ!



    

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

JESUS, O VINHO NOVO (Mateus 9: 14-17)

Jesus, foi questionado a respeito do jejum, pelos discípulos de João - o batista, porque seus discípulos não jejuavam. 

É incrível como nada passava despercebido. Todos ficavam “de olho” em tudo que dizia respeito a Jesus e nem o fato de seus discípulos não jejuarem, ficou de fora.

Na época de Jesus, os fariseus jejuavam duas vezes na semana, salvo no período de bodas, cuja comemoração, muitas vezes, ocorria durante uma semana e os convidados eram dispensados do jejum no período de comemoração do casamento, porque o jejum era associado a tristeza (comentário,King James).

Jesus respondeu a esse questionamento, fazendo uma comparação com o casamento: “É possível que os amigos do noivo fiquem de luto enquanto o noivo ainda está com eles? Dias virão, quando o noivo lhes será tirado, então jejuarão”. Os discípulos de Jesus estavam em momento de comunhão, de relacionamento com Ele.

Jesus ressalta: “Ninguém coloca remendo novo em roupa velha; porque o remendo força o tecido da roupa velha, e o rasgo aumenta. Nem se põe vinho novo em odres velhos; se o fizer, os odres rebentarão, o vinho derramará e os odres se estragarão. Mas, põe-se vinho novo em odres novos e assim ambos ficaram conservados” (Jo 9:16-17).

Nos versículos anteriores, vimos Jesus declarando : “Misericórdia quero e não sacrifícios, pois não vim resgatar justos e sim pecadores” (Jo. 9:13b).

Não adianta se sacrificar externamente, para que todos vejam, se por dentro continua resistente a mudança, com o coração duro, com os mesmos pensamentos, com as mesmas estruturas de pensamento, sem misericórdia, sem amor para com o próximo.

Jesus veio, para que, todos aqueles, que estão como odres e panos velhos, sejam renovados, para receber a Nova Aliança de Deus, Jesus.

Jesus é o vinho novo em nossas vidas e precisamos estar abertos, como panos novos, como odres novos para receber o novo de Deus - isso é a essência de nascer de novo.

Essa oportunidade é dada a todos que estão dispostos a receber (Jo.1:12). E independente de sua condição, mas por causa do grande amor, com que nos amou ( Efésios 2: 4-5), Deus sempre nos chama, para fazer parte do Seu banquete: “Eis que estou à porta e bato, aquele que abrir, eu sairei com ele e ele comigo” ( Ap.3:20).

Para fazer parte desse banquete, basta se aproximar, se arrepender - reconhecer que é pecador, que existem áreas em sua vida, que precisam de mudanças, que precisam de consertos. Para esses, que tem um coração humilde, Deus planejou o melhor renovo: JESUS!


Os que têm um coração humilde, não se rasgarão como tecidos velhos, nem se arrebentarão como odres velhos, mas serão como filhos maduros, que tem resistência, flexibilidade, se esticam e não resistem ao Reino de Deus.